Muito tem se falado da transformação digital na educação assim como em outros setores do mercado. Nos últimos anos, novas metodologias de ensino têm sido exploradas, tanto por instituições de ensino quanto pela educação corporativa. O investimento tecnológico dentro das organizações tem sido crescente, assim como a demanda por profissionais de desenvolvimento, user experience e analytics. 

A própria área de Recursos Humanos precisou incorporar esses profissionais de tecnologia para desenvolver suas plataformas e potencializar seus projetos no digital."O profissional de RH precisou estar bem próximo dos temas do negócio para que as transformações digitais e culturais acontecessem nas empresas”, conta Jonathan Almeida, Associate Partner em Page Executive.

Mesmo com avanços, o Brasil ainda não está tão acostumado culturalmente com a educação a distância quanto em outros países. A pirâmide etária brasileira mostra como há muitas pessoas com mentalidade ligada ao passado, enquanto os alunos nativos digitais estão mais confortáveis com os processos de mudança da educação do presencial para o online.

“Quando a gente olha para o processo de educação, há séculos ele parece ser o mesmo. Você tem um professor na frente e todos os alunos olhando para ele. Nos últimos anos, muito tem se falado sobre a transformação da educação a partir do digital e a crise do coronavírus trouxe um senso de urgência para essa questão”, diz Jonathan Almeida. 

Menos aulas presenciais, mais EAD 

Diante das novas circunstâncias de distanciamento social impostas pela pandemia do coronavírus, as empresas tiveram que traçar planos de ação para que seus profissionais pudessem trabalhar de casa, que seus líderes fizessem a gestão das equipes remotamente e a rotina de trabalho continuassem com o menor impacto possível.

Aqui no PageGroup, por exemplo, tomamos todas as medidas necessárias para continuar com nosso compromisso de contratação dos talentos certos para o crescimento dos negócios,realizando entrevistas online por vídeo e seguindo com o atendimento aos nossos clientes normalmente através do digital. 

O mesmo senso de urgência atingiu a área de Treinamento e Desenvolvimento, fazendo com que tivessem que iniciar ou acelerar seus planos de implantação da educação a distância para manterem suas rotinas de capacitação de profissionais. 

Se por um lado iniciativas de aprendizagem online têm um alcance maior de pessoas, por outro, esse aumento no número de usuários na base de dados vai exigir mais acompanhamento do RH e foco na experiência do aluno.

Será preciso entender as curvas de aprendizagem de cada profissional e oferecer atendimento a ele para evitar taxas de evasão nos treinamentos. O engajamento do aluno no meio digital vai depender muito da qualidade da experiência de aprendizagem que ele tiver. 

Neste momento, temas relacionados a comunicação, gestão de crise, metodologias virtuais de trabalho e informações sobre a própria pandemia estão em alta dentro das trilhas de aprendizagem. 

Os desafios dos profissionais de educação 

Em um cenário pressionado pela urgência na oferta de cursos a distância, se faz necessária a capacitação de instrutores e tutores para que estejam aptos a conduzir as experiências de aprendizagem mediadas pela tecnologia, tanto do ponto de vista instrucional e didático quanto de entendimento sobre plataformas e sistemas. 

A relação do aluno com professor, conteúdo e atividades em grupo é diferente no digital, mais dinâmica, autodirigida e colaborativa. Sendo assim, novas técnicas, ferramentas, ambientes digitais, formatos de conteúdo e metodologias de ensino devem ser adotadas para o sucesso do aluno. 

É importante levar em conta também a atualização dos processos de remuneração e plano de carreira para os profissionais que forem compor o time de educação diante da ampliação do escopo de trabalho.

Lições aprendidas a partir de uma crise 

Ainda é difícil dizer quais serão os impactos de médio e longo prazo da crise no mercado brasileiro e global, mas podemos assegurar que haverá uma impressão de antes e depois nas organizações sabendo que: 

• Todo processo de mudança exige determinação e coragem em curto prazo

• Os contatos virtuais podem ser mais frequentes e produtivos, fazendo parte do cotidiano de uma maneira mais natural 

• O profissional global deixa de ser uma ideia para se tornar realidade 

• Novos estilos de liderança precisarão surgir para manter a produtividade e o alcance de objetivos estratégicos 

• Toda mudança interfere na estrutura financeira, nas relações humanas e no planejamento estratégico da companhia