Você está aqui

3 pilares para um time produtivo, motivado e fiel

FIDELIDADE é o desafio da vez para empregados e empregadores. Em um momento turbulento da economia do Brasil, com alto grau de competitividade e resiliência por parte das companhias, rescisões de contratos e movimentações em grande volume passam a ser uma realidade frequente, assim como a insegurança e instabilidade.
 
Não é raro nos depararmos com situações em que medidas são tomadas de forma pouco estratégica, gerando desgaste no quadro de colaboradores. Estes motivos estão bem descritos no artigo A MAIORIA DOS GERENTES BRASILEIROS SÃO INFELIZES NO TRABALHO, SAIBA O PORQUÊ.” 
 
Contudo, é possível manter um time produtivo, motivado e que não busca por outras oportunidades com apenas 3 pilares: TREINAMENTO, TRANSPARÊNCIA E COMUNICAÇÃO.

 

TREINAMENTO

A contratação de um profissional geralmente está ligada às suas habilidades e conhecimentos que naquele momento vão de encontro com as necessidades de um empregador. Ainda assim, com as constantes mudanças tecnológicas, novos processos e disciplinas, como treinamentos e capacitação de colaboradores, proporcionados por empresas aos seus colaboradores é hoje uma ferramenta não só de capacitação, mas também de retenção de funcionários. Ao mesmo tempo que serve como uma forma de acompanhamento de motivações e evolução de carreira dos profissionais durante sua jornada dentro da companhia.
 
No atual cenário, um maior número de companhias têm recorrido ao treinamento empresarial como uma tentativa de se ajustar à crescente competitividade do mercado brasileiro. Portanto a tendência é que as ações sejam feitas com cada vez mais agilidade e eficiência, sem que haja aumento nos custos. 
 
Ainda assim menos da metade das empresas no mercado brasileiro tem uma forte cultura de treinamentos e capacitação. Entrevistamos cerca 3.000 profissionais para nosso Estudo de Remuneração para Alta e Média Gerência 2017 que ocupam cargos de alta e média gestão, e apenas 40% recebem treinamentos constantes em suas empresas. 
 
Um ponto de atenção que pode ser um diferencial na experiência empregatícia e potencializar a boa relação entre o colaborador e a marca que investe e acredita em seu desenvolvimento para os seus planos futuros. Algo realmente relevante em tempos de incertezas no mercado.
 

TRANSPARÊNCIA

Ainda com o ruído gerado pelo momento descrito acima, uma medida importante sobre toda a comunicação interna, do momento da contratação até o ultimo dia de permanência do profissional na companhia, é a transparência.
 
Além de todas as variáveis internas e externas que influenciam o comportamento de colaboradores, suas principais motivações serão geralmente o principal ponto de influência na decisão de manter-se onde está ou movimentar-se. Para entender então quais são estas principais motivações, consultamos os mesmos 3.000 gerentes de várias localidades e setores no Brasil e o as 3 principais motivações relacionadas a seu trabalho são: 1. Salário, 2. Possibilidade concreta de crescimento, 3.Metas desafiadoras.
 
E claramente, na medida oposta, estes três fatores também podem ser os principais detratores, caso não atendam às expectativas. Por isso, ressaltamos que a transparência na inter-relação entre gestores e colaboradores devem ser uma premissa mandatória. Onde, por exemplo, alinha-se com clareza as faixas salariais oferecidas pela companhia para seus cargos, ou ainda como ela está equipada a seus principais concorrentes do mercado.
 
Alinha-se se isto atende às necessidades dos seus colaboradores e explicitando quais são os passos necessários para alcançar incrementos ou progressões salariais durante sua atuação. Assim como esclarecer patamares possíveis e desafios concretos a serem enfrentados para que haja a possibilidade de crescimento dentro da hierarquia. Evitando a estagnação e desgaste de um profissional com expectativas desalinhadas, e catabolizando sua motivação em busca por resultados. 
 

COMUNICAÇÃO

Ainda sobre motivações, ao listarmos outros itens que foram postos como principais fatores levantados pelos executivos entrevistados encontramos: 
 
1. Maior qualidade de vida
2. Possibilidade de atuar em projetos que vão além de seu escopo
3. Diretores e gerentes que inspiradores
4. Pacote de benefícios diversos e atraentes
5. Possibilidade de trabalhar no exterior
6. Horas de trabalho flexíveis
7. Descontos e parcerias com outras empresas e serviços
 
E ao considerar o teor de alguns deles, percebemos que se tratam de experiências ou práticas que a maioria das companhias são capazes de entregar ao seus colabores. De qualquer forma, em cenários problemáticos e de abalo recorrente é fundamental reforçar estas possibilidades e benefícios através de uma comunicação de employer branding forte, consistente e que converse com transparência e empoderamento com o quadro de funcionários. Considerando suas demandas, não só internas e ligadas ao trabalho, mas também medidas de estímulo a uma vida saudável, educação e experiências diversas e ricas que podem contribuir para a construção da história deste profissional. 
 
Com certeza, o gerenciamento de pessoas em períodos de crise depende de uma série de fatores pouco ortodoxos para que haja uma evolução consistente e constante para a manutenção de time harmonizados e em constante crescimento. De qualquer forma, ao considerar estes pilares simples e priorizar a cultura a qual a companhia é pautada, os valores tendem a estabilizar momentos de inexpressão, e possibilitar a delimitação de metas claras e que motivam todos a busca pelo o sucesso.
 
Para mais detalhes sobre o mercado e qualificações de gerentes do mercado brasileiro, consulte nosso Estudo de Remuneração de Alta e Média Gerência 2017, clicando aqui.